[ Lire et Commentant ] - A Filha da Minha Mãe e Eu - Maria Fernanda Guerreiro

Editora: Novo Conceito Jovem
Autor: Maria Fernanda Guerreiro
Ano: 2012
Número de páginas: 256
Avaliação: 




Sinopse:

"Sensível e tão real a ponto de fazer você se sentir parte da família, A filha da minha mãe e eu conta a história do difícil relacionamento entre Helena e sua filha, Mariana. A história começa quando Mariana descobre que está grávida e se dá conta de que, antes de se tornar mãe, é preciso rever seu papel como filha, tentar compreender o de Helena e, principalmente, perdoar a ambas. Inicia-se, então, uma revisão do passado – processo doloroso, mas imensamente revelador, pautado por situações comoventes, personagens complexos e pequenas verdades que contêm a história de cada um."

Fonte: Novo Conceito



Como foi o mês de Agosto para vocês? Para mim foi bastante agitado, voltei da Bienal Internacional de São Paulo cheia de coisas, brindes, livros e bastante mimos *-* Foram os 11 dias mais movimentados da minha vida e que ficarão na memória. Já estou começando a alimentar a idéia de no ano que vem participar da Bienal Internacional do Livro no Rio de Janeiro. Não sei ainda como, mas vou recuperar o meu bolso kkkk e depois começar a juntar R$ para o ano que vem.

Vou deixar os acontecimentos da bienal de lado por enquanto, estou preparando um post bem especial falando de como foram os dias que passei lá. Hoje vim exclusivamente para comentar com vocês o que eu achei do livro “A Filha da Minha Mãe e Eu”.

É bastante difícil falar de um livro que você gostou tanto, mas não sabe colocar em palavras o que ele fez você sentir. É desse jeito que estou agora, sem saber exatamente o que falar para vocês.

Maria Fernanda tocou meu coração em muitos momentos, tanto os de alegria como os de tristezas. A relação entre uma mãe e uma filha não é nada fácil e nesse livro parecia que em muitos momentos eu estava vendo a mim naquelas páginas, eu sei que não foi só eu, mas naquele momento EU ESTAVA LENDO e achando que ela tinha escrito para mim.

A leitura corre rápida e confesso em muitos momentos eu queria estrangular a mãe de Mariana. Vendo tudo o que se passou no livro posso dizer que a minha vida é bastante tranqüila e não tenho que reclamar, mas vocês sabem o que realmente acontece não é? A sua vida sempre é pior que a do vizinho. Não é fácil conviver com outras pessoas e depois desse livro pude perceber que não é fácil mesmo.

Minha mãe se separou do meu Pai quando eu tinha uns 9 anos, e por muito tempo eu me senti culpada, com o passar dos anos e convivendo com ele puder ver que a relação pai/filha não tinha mudado mais sim a relação deles como casados, demorei a chegar nessa conclusão, mas finalmente pude perceber que eu não tinha colocado meu dedo nisso.

Sempre falam que ou você se apega mais a sua Mãe ou você se apega mais ao seu Pai, mas no fundo me apeguei mesmo a minha Avó, ela sempre teve uma participação ativa na minha vida, até hoje convivo muito mais com ela do com os meus Pais.

Esse livro me fez lembrar de tudo o que já pensei sobre o fato do mundo ser injusto, de minha mãe não me amar, de meu Pai amar mais ao meu irmão e muitos outros que foram vindo com o passar dos anos. O livro me ajudou a entender muito mais dessas perguntas e relevar alguns temperamentos e acontecimentos.

Eu fico "P" da vida quando acontece de ela falar o seguinte; “Pare o que está fazendo, eu estou mandando, você não ouviu? Eu sou sua mãe.” Ok, ela é minha mãe, eu tenho respeito por isso mas sempre me questionei sobre a nossa relação e esse modo imperativo de ser a mãe. Já tentei me imaginar falando “Pare o que está fazendo agora, escutou? Eu estou mandando você parar e chega de conversa eu sou sua Filha” o que viria depois? Uma bela de uma surra das grandes.

Eu sei que preciso conversar com ela um pouco mais, só que eu não consigo me expressar bem, na ultima vez acabei dizendo que iria morar com o meu Pai e ai ela ficou ainda mais brava.

A minha relação com ela não entra na categoria mãe/amiga, o que acontece com a Mariana, ela é apenas  a mãe. Ela manda e eu obedeço, ela reclama e eu fico calada, ela fala mais e eu fico brava só que não digo nada e no fim das contas eu fico sofrendo por não ter dito nem que seja um “Chega!”.

O livro libera todas essas emoções e não é nada fácil ler ele sem comparar aos meus momentos. Chorei, fiquei triste, me identifiquei muito na maioria dos acontecimentos, o livro virou o meu queridinho, torci para que tudo desse certo, me apeguei aos personagens e no fim das contas vou acabar relendo ele novamente por esse dias.

Eu recomendo para quase todas as idades, não só adolescentes, mas se minha mãe ainda tivesse vontade para ler algo esse seria um livro que gostaria que ela lesse. Gostaria de ver como seria a reação dela se ela iria se identificar tanto quanto eu.

É uma obra encantadora, Maria Fernanda conseguiu transformar acontecimentos, momentos simples do dia-dia  e outros um tanto complexos em algo especial para nos passar uma bela mensagem, fico muito feliz também por ser uma autora nacional.

Tive o enorme prazer de conhecer a autora na Bienal e levar meu livro para autografar! Ela foi um amor de pessoa, vou ficando por aqui e deixo para vocês uma foto minha com Maria Fernanda no Estande da Editora Novo Conceito.


Foi um prazer e uma alegria enorme conhecê-la pessoalmente. *-*

 Frases Preferidas:

  “Também não foi fácil aceitar que eu e minha mãe seríamos as mesmas, mesmo tendo mudado em tantas coisas e que, com pequenos ou grandes obstáculos, essa era a nossa vida. Só nossa.”

  “Talvez o segredo fosse parar de idealizar um tipo de relação e aceitar, da melhor maneira possível, a que eu tinha."

  “Afinal, só assim eu iria conseguir ver, na minha mãe, uma pessoa independente de mim, com suas próprias histórias e conclusões que a moldaram durante toda a vida. E que, de uma maneira ou de outra, se traduziram na educação que recebi."

  “Depois de tantos anos, compreendi que não é que minha mãe não sabia dar. Ela não sabia era receber."

  “Passei boa parte da minha vida alternando entre querer ser igual a minha mãe ou ser tudo o que ela não era. Mas, o mais curioso é que, em ambos os casos, a referência era a mesma. Até quando eu queria ser completamente diferente dela, era nela em quem me espelhava."

  “Engraçado... minha mãe que nunca tinha conversado comigo sobre sexo, nem sabia quais eram meus sonhos e medos, em vários momentos importantes da minha vida esteve junto comigo e não percebi."

  “A verdade é que éramos duas estranhas que não sabiam demonstrar o sentimento que a outra precisava. De repente, tudo me pareceu tão simples e o tempo entre nós tão desperdiçado. Era fato o amor que existia entre mãe e filha, mas os caminhos escolhidos para demonstrá-lo não tinham sido os mesmos."

 Book Trailer:




Beijocas ;**

27 comentários:

  1. Oi Lígia!!!
    Acabei de ler esse livro, e assim como você me identifiquei bastante com algumas passagens *-*
    Deu graças a Deus quando terminei o livro e vi que minha mãe tinha momentos "Dona Helena", e eu tinha meus momentos "Mariana", mas que acima de tudo nós somos amigas.
    Adorei a resenha
    Bjks
    Paty
    http://abajurdepapel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Patricia É impossível não se identificar com algo nele não é?. Ah fico feliz por você, mas eu e minha mãe infelizmente temos quase nada de amigas ;/

      Beijos ;**

      Excluir
    2. Olha aí o blog da Patrícia botando pra querar tmb LOL... é tão bom saber que podemos passar nosso tempo na net vendo opiniões dos outros sobre temas que nos agrada... claro, opiniões que valem a pena serem lidas!

      Excluir
  2. Eu já li esse livro e fora a parte em que você disse que a narrativa é bem rápida, eu concordo com tudo que disse! ( Eu achei ela lenta em algumas partes, mas ainda bem que estas foram poucas e logo a autora soube fazer algo para o leitor não dormir)
    Eu também me identifique bastante com o livro, a minha relação com a minha mãe não é complicada assim, mas no livro tem tantas dessas situações cotidianas que é impossível não se identificar!
    Que bom que você conheceu a autora, ela parece ser bem simpática!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fellipe Para mim a leitura foi tão rápida que não achei partes com um ritimo lento, acho que isso foi devido a minha empolgação e concentração na hora da leitura. Justamente essas situações que me fizeram se apegar ao livro cada vez mais. A autora é um amor de pessoa... essa bienal vai ficar marcada nas lembranças!

      ;**

      Excluir
  3. Vi tantas resenhas negativas desse livro que estava desanimando já. Adoro leituras assim. Adorei sua resenha, assim vejo que ainda posso gostar do livro.
    Vou comprar e empurrar pra minha mamy ler tbm *.*

    ResponderExcluir
  4. Concordando com o comentário acima, tenho quase certeza que ao terminar de ler, minha mãe será a próxima *-*
    Ainda bem que tenho uma relação muito boa com minha mãe, não digo melhores amigas, mas ainda assim é interessante por cada uma respeitar o seu espaço e minha mãe não tem essa coisa de "abuso de autoridade" que você citou. Sou mais apegada ao meu pai. Mas acho que principalmente pelo fato de ser caçula, sou mais mimada sim, e por ambos HAHA'

    Não pude ir na Bienal e consequentemente não te conheci .-.
    Buáá :'(
    Todo mundo falando tanto tanto tanto D:
    E quando penso qe a ferida cicatrizou (#drama) vce vem e a abre de novo sem dó nem piedade :(
    HAUSHAUSHUAHSUAHUSHAHSUAHSUHUAHS'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mireely Tentei influenciar a minha mãe a ler mas ela não foi muito com a cara do livro. Disse que está sem tempo para ler rsrsrs

      Uma pena você não ter ido a bienal =/ você é de São Paulo mesmo? Fiquei os 12 dias conhecei bastante gente e umas duas leitoras aqui do blog. Foi muito legal.

      Kkkkkkk desculpa por abrir a ferida, mas confesso que essa semana vai ao ar um post falando de como foi a bienal rsrsrs mesmo sendo um mês depois eu queria registar ;)

      Bjuuuuu

      Excluir
    2. Sou de SAMPA õ/
      Mas não Centro, o qe complicou um pokinho ;/
      Me decepcionei por não ter ido, mas eh a vida, mimimi.
      HAUSHAUSHUAHS'
      Relaxa, vou adorar saber das suas aventuras por aqui ;D

      Tenho fama de enchedora de saco aqui em casa.
      Mas acho que nem precisarei usar meus dons, tenho certeza qe ela vai se interessar e ler por conta própria, haha. (yn)

      Excluir
  5. Já está na lista de desejados \õ/
    Aliás... Meu aniversário é no próximo domingo e estou torcendo pr minha mãe e todos os conhecidos possíveis visitarem essa lista imensa, haha.
    Ganhar livros é tão bom *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mireely Sério seu niver é no domingo fia 16? Ahhh me manda seu endereço depois.. quero de enviar um presentinho ;)

      Sei bem como é uma lista gigante de livros desejados rsrsrs

      Excluir
    2. Aaaaah siiim siim, foi domingo, haha.
      Ansiando pelo seu presentinho õ/

      Minha mãe me deu um "vale-livro" qe ela mesma fez.
      Vou escanear e te mandar no face pr vce ver, super fofa *o*

      Excluir
  6. o livro logo te chama atenção pela capa,quando eu li o titulo eu ja sabia que seria uma historia emocionante, até porque não é nada simples relação filho-mãe , acho muito legal quando alguem ler um livro e se identifica muito com ele, como foi o seu caso, eu estou super curioso para ler esse livro, quem sabe eu não tenha oportunidade? :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Whild Pois é! Me identifiquei bastante com o livro e quando conheci a autora quase choro. Foi emocionante. ;*

      Excluir
    2. a espero ler e da minha opinião :D

      Excluir
    3. o livro também me chamou atenção pela capa

      Excluir
  7. Sinceramente eu não consegui me identificar com as personagens do livro, a leitura foi bem rápida mas talvez por ter tido uma mãe sempre muito próxima e amorosa eu tive grandes dificuldades em me conectar com as personagens desse livro tanto a mãe quanto a filha.

    ResponderExcluir
  8. já quero esse livro a muito tempo, amo ele

    ResponderExcluir
  9. Desde que lançou não senti muita vontade de ler.
    não rolou um sentimento entre a gente.

    ResponderExcluir
  10. Esse livro tá na minha estante esperando na fila, :)

    Gosto de dramas e esse parece bem interessante.

    Bjo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que inveja de você, fiquei curiosa para ler este livro.

      Excluir
  11. Achei super legal o tema abordado no livro nunca vi nehu livro falar sobre isso...Gostei da resneha


    xoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei o tema bem legal e interessante! Acho que é um tema diferente dos outros livros que já li

      Excluir
  12. O titulo do livrochega a ser engraçado kkkk mais a história parece ser emocionante. vc conheçeuu elaaa que legaaaal

    ResponderExcluir
  13. é a primeira resenha legal que eu vejo do livro ;)
    Fico feliz mesmo, porque quando li a sinopse senti que o livro iria me encantar assim que eu pudesse ler. é bom saber que ele conseguiu te conquistar. Eu estou bem esperançosa com relação a ele.
    beijos

    ResponderExcluir

-Sua opinião é sempre bem vinda e eu adoro saber o que vc achou *-*

- Não tem uma conta no blogger? Pode comentar com a opção NOME(seu nome)/ URL (link do seu perfil em alguma rede social.)

- Comentários Anonimos não serão aceitos.

- Comentários ofensivos/preconceituosos serão deletados.

- Irei responder aqui nesta pagina mesmo! então por favor volte depois para conferir a resposta ;D

- Em caso de interesse em fazer parceria com o blog,sugestões, críticas ou algo mais entre em contato.

- Obrigada por comentar!

 
Tecnologia do Blogger | Layout feito por Adália Sá | Modificações e ajustes Lígia Paulino | © Todos os direitos reservados 2010 Lígia et son monde